AGROFRATER

Brasil ultrapassa EUA e se torna o maior exportador de algodão do mundo

China, Vietnã, Bangladesh, Turquia e Paquistão são mercados principais

Por Kariane Guerra em 02/07/2024 às 09:01:01

Pluma de algodão - Foto: Viviane Petroli/Canal Rural Mato Grosso

O desempenho da safra 2023/2024 de algodão, com a colheita de mais de 3,7 milhões de toneladas, elevou o Brasil ao posto de maior produtor do mundo. O paĂ­s também se tornou, oficialmente, e pela primeira vez na história, o maior exportador de algodão do mundo, superando os Estados Unidos.

O anĂșncio foi feito neste fim de semana em Comandatuba, na Bahia, durante a 75ÂȘ reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Algodão e seu Derivados, do Ministério da Agricultura, PecuĂĄria e Abastecimento, na conferĂȘncia Anea Cotton Dinner, promovida pela Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea). A meta era prevista para ser alcançada somente em 2030.

A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) comemorou o resultado da safra atual, com 60% da produção totalmente comercializada.

"A liderança no fornecimento mundial da pluma é um marco histórico, mas não é uma meta em si, e não era prevista para tão cedo. Antes disso, trabalhamos continuadamente para aperfeiçoar nossos processos, incrementando cada dia mais a nossa qualidade, rastreabilidade e sustentabilidade, e, consequentemente, a eficiĂȘncia", ressaltou o presidente da Abrapa, Alexandre Schenkel. A meta era prevista para ser alcançada somente em 2030.



Guinada


O presidente da Anea, Miguel Faus, lembrou que hĂĄ cerca de duas décadas o Brasil era o segundo maior importador mundial.

"Essa guinada se deve a muito trabalho e investimento na reconfiguração total da atividade, com pesquisa, desenvolvimento cientĂ­fico, profissionalismo e união. É um marco que nos enche de orgulho como produtores e como cidadãos", afirmou.

A Abrapa atribui o bom desempenho dos produtores à interligação entre produtores e a indĂșstria tĂȘxtil brasileira. Apesar de sofrer forte concorrĂȘncia externa, o consumo de fios e de algodão deve subir de 750 mil toneladas para 1 milhão de toneladas por ano.

A própria associação criou uma rede chamada Sou de Algodão, onde produtores de roupas, universidades de moda, pesquisadores e produtores de algodão caminham juntos para desenvolver qualidade aos produtos finais. Cerca de 84% do algodão produzido no Brasil detém certificações socioambientais.

As exportações brasileiras se recuperaram também pela maior demanda de paĂ­ses como Paquistão e Bangladesh, que no ciclo anterior compraram menos devido a dificuldades financeiras para abrir cartas de créditos. Essa retomada colaborou para que as expectativas fossem superadas. "A gente achava que iria exportar inicialmente 2,4 milhões, 2,45 milhões de toneladas."

Entre os principais mercados do algodão brasileiro estão China, Vietnã, Bangladesh, Turquia e Paquistão.



Penas de aves

Na Ășltima semana, o governo brasileiro recebeu o anĂșncio, pela Região Administrativa Especial (RAE) de Hong Kong, China, da aprovação sanitĂĄria para a exportação de penas de aves do Brasil. O produto tem diversos usos industriais, incluindo a fabricação de almofadas, travesseiros, roupas de cama e estofados, além de ser utilizado como matéria-prima em produtos de isolamento térmico e acĂșstico.

A abertura amplia o mercado para produtos avĂ­colas do Brasil, refletindo a confiança no sistema de controle sanitĂĄrio brasileiro. A relação comercial com a RAE de Hong Kong foi responsĂĄvel pela importação de mais de US$ 1,15 bilhão em produtos do agronegócio brasileiro no ano passado. Com este anĂșncio, o agronegócio brasileiro alcança sua 72ÂȘ abertura de mercado neste ano, totalizando 150 aberturas desde o inĂ­cio de 2023.

Novo consulado na China


Na Ășltima quinta-feira (27), o Brasil abriu seu terceiro consulado-geral na parte continental da China, em Chengdu, capital da ProvĂ­ncia de Sichuan, no sudoeste do paĂ­s. Com seu distrito consular abrangendo Sichuan, Chongqing, Guizhou, Yunnan e Shaanxi, o consulado-geral é estabelecido depois dos em Shanghai e Guangzhou. Cézar Amaral tornou-se o primeiro cônsul-geral do Brasil em Chengdu. Como este ano marca o 50Âș aniversĂĄrio do estabelecimento de relações diplomĂĄticas entre a China e o Brasil, a abertura do consulado-geral é uma sinalização do aprofundamento da cooperação entre os dois paĂ­ses, segundo Marcos Galvão, embaixador brasileiro na China.

Fonte: Agora MT

Comunicar erro
WHATSAPP

ComentĂĄrios