AGROFRATER

PL que corta incentivos de empresas signatárias da moratória da soja entrará em votação

Pauta encontra-se em caráter de votação "urgente urgentíssima" na Assembleia Legislativa de Mato Grosso

Por Kariane Guerra em 08/05/2024 às 16:53:39

Foto: Fablício Rodrigues/Secretaria de Comunicação Social ALMT

O projeto de lei 2256/23, que trata da suspensão dos incentivos fiscais a empresas que estejam "organizadas em acordos comerciais nacionais ou internacionais, que ocasionem restrição de mercado, perda de competitividade do produto mato-grossense ou obstrução ao desenvolvimento econômico e social dos municípios", deve ser levado à votação nesta quarta-feira (8) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. A expectativa é do deputado estadual Gilberto Cattani (PL-MT), autor da proposta.

O parlamentar lembra que o Código Florestal é uma das legislações ambientais mais rigorosas do mundo, e que Mato Grosso também possui uma legislação a ser utilizada de exemplo.

"Quando voc√™ fala em √°rea ilegal a gente concorda [quanto às restrições]. Mas, quando voc√™ fala em √°rea aberta legalmente, essas empresas estão indo contra a legislação do nosso país", diz Gilberto Cattani ao Conexão FPA-MT desta semana.



Segundo o deputado, "restringir" que tais empresas recebam incentivos por parte do governo estadual é uma das formas de evitar que o produtor continue sendo "lesado".

Gilberto Cattani salienta ainda que, diante de restrições de incentivos fiscais para tais empresas, não v√™ a possibilidade de elas deixarem Mato Grosso.

"Pelo contr√°rio. Essas empresas exploram o agronegócio h√° muito tempo. São elas que vendem os insumos, que comercializam, que recebem e isso jamais vai fazer com elas deixem o estado ou que o agronegócio pereça".

Conforme a gerente de política agrícola da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Rosicler Saporski, o plano de desenvolvimento de Mato Grosso é claro ao dizer que "as empresas que se instalem e queiram usufruir ou usufruam de benefícios fiscais, elas t√™m que em contrapartida potencializar o emprego, a renda, diversificar atividades econômicas e reduzir as desigualdades regionais".

"Então, toda empresa que vem aqui se instalar e receba recurso público, e ela est√° indo contra a própria legislação estadual, ela est√° desestimulando, como acontece com a moratória da soja. O projeto vem justamente para trazer uma baliza para essas empresas", frisa Rosicler Saporski.

Fonte: Canal Rural MT

Comunicar erro
WHATSAPP
stine

Coment√°rios